Confira a coluna desta sexta-feira (13)

E Gilmar Mendes continua a falar de tudo, todos e de muitos

Sempre ele, e cada vez mais sem nenhum filtro na fala e durante a sessão desta quarta-feira (11), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, que tem criticado a imprensa, colegas da Suprema Corte e juízes brasileiros, separou a metralhadora que sempre leva na boca e mirou no Ministério Público Federal (MPF) ao dizer que “a corrupção chegou à Operação Lava-Jato” e à Procuradoria-Geral da República (PGR). O nobre ministro citou a atuação da ex-advogada da JBS Fernanda Tórtima e do ex-procurador da República Marcelo Miller. Vale registrar que em setembro, o procurador Sidney Madruga foi flagrado em conversa com a advogada Fernanda Tórtima dizendo que a “tendência” era investigar o ex-chefe de gabinete do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, o procurador regional Eduardo Pelella. Clássico de corrupção, isso tem de ser investigado e tem de ser dito, é óbvio que um abuso está ocorrendo — afirmou Gilmar. Em sua fala, Gilmar Mendes também disse que o procurador da República Diogo Castor de Mattos, que integra a força-tarefa da Lava-Jato, tem um irmão que advoga para investigados da operação e comete ilegalidades. Tem sido sempre assim , os brasileiros ficam cada vez mais perplexos com as falas do ministro e tem de aguentar por muitos anos pois dali ele só vai sair quando tiver 75 anos e isso ainda vai levar mais alguns anos.

Nada pra Alkmin ?

A pré-candidata da Rede Sustentabilidade, Marina Silva, diz que discorda da decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que encaminhou para a Justiça Eleitoral a investigação sobre a acusação de caixa dois em campanhas eleitorais do ex-governador Geraldo Alckmin, postulante do PSDB ao Palácio do Planalto.

Marina bate forte
“Deveria ter sido encaminhado [o caso] para a força tarefa da Lava Jato”, afirma. Segundo Marina, na Justiça Eleitoral, a tendência é que a investigação venha a ser protelada.

Vereadores de Olinda solicitam ao governador recursos para combater enchentes com urgência

Diante da emergência de um inverno com fortes chuvas, a Câmara Municipal de Olinda encaminhou um requerimento em forma de apelo ao governador Paulo Câmara para que sejam disponibilizados R$ 3 milhões para custear a “desobstrução dos 27 canais existentes no município”.

Apelo

O documento, subscrito por unanimidade, foi entregue no Palácio do Campo das Princesas, ao secretário executivo da Casa Civil, Marcelo Canuto, pelos vereadores Jorge Federal, Algério A Nossa Voz, Jesuíno Araújo, Ricardo Souza, Vlademir Labanca e Saulo Holanda.

Pedido

A Câmara de Vereadores de Olinda também enviou, hoje, requerimento ao ministro das Cidades, Alexandre Baldy, para que seja verificada a possibilidade do remanejamento da verba orçamentária destinada ao Projeto Fragoso I, para que esta seja disponibilizada para a execução dos serviços de desobstrução de toda a calha do Canal Fragoso, em toda a sua extensão, até a Foz com o mar no Bairro de Rio Doce no Município de Olinda-PE, em forma de força tarefa executada pelo Exercito Brasileiro.

Todos querem o Brasil

Presidente do Solidariedade, o deputado Paulinho da Força (SP) afirmou nesta quinta-feira, 12, que o partido deve lançar o nome do ex-ministro Aldo Rebelo, recém-filiado à legenda, como candidato à Presidência.

Aécio doente?

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) passou uma manhã na UTI do Hospital Santa Lúcia, em Brasília. Ele chegou ao hospital às 8h da manhã com muita dor de cabeça e náuseas. Depois de passar por uma série de exames, foi para o quarto. Às 14h30, recebeu alta. São os primeiros sinais do medo dele por conta do STF na semana que vem.
Vai pra justiça

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), manteve a análise da denúncia contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) para a próxima terça-feira, 17.

Vai se complicar

A Primeira Turma da Corte decide nesse julgamento se torna réus o senador, sua irmã Andrea Neves, seu primo Frederico Pacheco de Medeiros, e Mendherson Souza Lima, ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrella (MDB-MG) pelo crime de corrupção passiva.