Coluna desta terça (05): Em um governo fraco e cada vez mais definhando, quem mais aparece e com autoridade é o ministro Pernambucano Raul Jungman

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disseque o comitê criado pelo governo para gerenciar a crise dos caminhoneiros será mantido para as eleições deste ano. Segundo Jungmann, a questão envolvendo a paralisação dos caminhoneiros e o desabastecimento no país caminha para os níveis de normalidade, mas o grupo passará a monitorar a disseminação de notícias falsas (fake news) na internet. A decisão de manter o comitê foi tomada nesta segunda-feira. Jungman tem sido o homem forte do governo Temer, quem dá a cara a tapa, quem aparece o tempo todo no rádio, tv e jornal. Nos momentos de crise chama Jungman, em momentos de impopularidade, chamam jungman, nos piores momentos do governo Temer quem é sempre chamado para responder a quase tudo é o ministro Raul Jungman. E, quando chamado sempre ele vai pra linha de frente, é hoje o para-choque do governo Temer. Jungman está mais para presidente do que ministro, pois tem atendido o tempo todo os chamados do presidente e com maestria tem cumprido seu papel institucional.

Prestando contas

O senador Humberto Costa, (2010), teve projeções importantes nos governos de Lula e Dilma. Contudo, desde o impeachment da ex-presidente, tornou-se líder da oposição ao governo de Temer. O Senador acredita que a saída de Dilma foi um golpe parlamentar. Humberto afirma que ele foi o único Senador de Pernambuco totalmente de oposição a Temer. O pernambucano acredita que a pauta de gestão de Temer é nociva às conquistas dos trabalhadores brasileiros.

Querendo reeleição

Humberto Costa declarou que é um parlamentar atuante e com bom trânsito nos municípios. Além de ter uma parceria importante com as prefeituras administradas pelo PT, ele afirmou que também se relaciona sem problemas com municípios da oposição. Ele declarou: “Tenho muito boa relação com os municípios que são administrados pelo PT, como Águas Belas, Serra Talhada, e com outros que não são do PT como Surubim, Garanhuns, Petrolina.

Justificando

Como Senador, Costa destinou, até agora, mais de R$ 240 milhões para o Estado. Essas emendas, de ordem individual e de bancada, beneficiaram, hospitais como o Mestre Vitalino (Caruaru), Central (Serra Talhada) e o da Mulher (BR-104, Taquaritinga do Norte). Instituições de ensino, obras de infraestrutura rodoviária, hídrica, turística, esportivas, adutoras do Pajeú e do Agreste também foram alcançadas por esta verba.

Prefeitura do Recife abre comemorações com ação no Canal do Arruda

A Prefeitura do Recife promove um mês inteiro de atividades para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em 5 de junho, com o tema “Verde Urbano e Mudanças Climáticas”. Para tanto, a Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (SDSMA) e a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb) prepararam uma ampla programação, que começa nesta terça-feira (5), às 9h, com a realização de uma série de intervenções no Canal do Arruda, dentro da Campanha Cidade Limpa.

Junho verde

O Junho Verde, como foi intitulado a iniciativa, segue com diversas atividades, como oficinas, ações educativas, seminários, plantios, passeios pelo Rio Capibaribe e visitas ao Econúcleo Jaqueira e ao Jardim Botânico.

Oposição aparece de novo e não poupa governo de Pernambuco

O desequilíbrio financeiro está paralisando o Estado de Pernambuco. Os exemplos são variados: obras não concluídas, promessas não cumpridas, desabastecimento nos hospitais e postos de saúde e até falta de insumos básicos – como medicamentos, gaze e esparadrapo.

Criticas
Desde 2015, a administração estadual vem utilizando a rolagem de despesas de um ano para o outro como forma de se financiar. Assim, depois de começar 2015 com R$ 440 milhões de restos a pagar deixados pela gestão anterior, da qual foi secretário da Fazenda, o governador Paulo Câmara aumentou, em três anos, essa conta em mais de R$ 1 bilhão, fechando 2017 com um saldo de R$ 1,49 rolado para 2018.

Silvio Costa dispara
De acordo com o deputado Silvio Costa Filho (PRB), líder da Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), o relatório fiscal de execução orçamentária, divulgado pelo Governo no Diário Oficial, joga luz sobre essa realidade, que a gestão Paulo Câmara vem tentando esconder do povo de Pernambuco. “Os dados do balanço do primeiro quadrimestre de 2018 revelam que a situação fiscal de Pernambuco está, a cada dia, mais deteriorada.
Números
Além de se manter acima do limite prudencial de gastos com a folha de pagamentos, o Estado encerrou o primeiro quadrimestre de 2018 com um saldo de restos a pagar de R$ 590 milhões. É o maior nível de todo o governo e quase cinco vezes mais que os R$ 120 milhões contabilizados nos quatro primeiros meses de 2015 – primeiro ano do governo Paulo Câmara”, detalhou o parlamentar.
Matemática estranha
Segundo Silvio, esse artifício vem comprometendo os investimentos em áreas essenciais, como saúde e educação e, além disso, este ano, por causa das restrições fiscais em virtude das eleições, o Governo não poderá lançar mão dos restos a pagar para fechar as suas contas.

Cortes nunca feitos
“Isso significa que o Governo precisará cortar R$ 1 bilhão em suas despesas ou terá que reduzir, ainda mais, os investimentos nas áreas essenciais para a população. Infelizmente, no final das contas, sabemos que desde 2015 quem vem pagando a conta é a população, quando não encontra atendimento de qualidade nas unidades de saúde, é obrigado a pagar 29% de ICMS sobre o litro da gasolina, sente o corte de R$ 60 milhões em programas sociais ou deixa de receber obras e projetos de mobilidade”, reforçou.
Mais cobrança
O deputado cobra que o governo Paulo Câmara faça o ajuste fiscal que realmente interessa à sociedade. “É preciso reduzir os gastos com publicidade, que em 2017 somaram mais de R$ 65 milhões; cortar os mais de R$ 120 milhões gastos com a Arena Pernambuco (R$ 20 milhões só em 2017); além de reduzir as despesas com cargos comissionados e consultorias. É preciso gastar menos com a máquina e mais com o povo, priorizando os investimentos na saúde, educação, segurança e programas sociais”, defendeu.